INTOXICAÇÕES POR MAMONA (Ricinus communis) EM BOVINOS NO MUNICÍPIO DE PORTEIRAS – CE

THEREZA CAROLINE FURTADO VIDAL, CAROLINA MOTA CARVALHO, MARGARETI MEDEIROS, CLEYBER JOSÉ DA TRINDADE DE FÁTIMA, VANESSA DA SILVA MUSTAFA

Resumo


No Brasil existem centenas de espécies de plantas tóxicas de importância para a pecuária. Em algumas regiões devido à falta de dados de mortalidade e morbidade, fica difícil estimar as perdas econômicas que elas causam para os produtores. Entre as principais plantas tóxicas para bovinos estão Palicourea marcgravii, Senecio spp., Ateleia glazioviana, Cestrum laevigatum, Brachiaria sp., Enterolobium, Mascaggnia rigidae e Ricinus communis. Foi realizado um levantamento das intoxicações por Ricinus communis, conhecida popularmente como mamona, através de um questionário no município de Porteiras região do Ceará, onde foram entrevistados produtores de 17 propriedades. De acordo com o questionário realizado 6 propriedades tinham a presença de mamona, dessas 6 propriedades, 4 apresentaram episódios de intoxicações em bovinos. Os sinais clínicos que os animais apresentaram foram timpanismo, associado com a ingestão das sementes, e sialorreia e apatia associados com a ingestão das folhas da planta. O tratamento realizado pelos produtores foi através da administração de antitóxico. Apesar dos índices baixos, a intoxicação por essa planta não deve ser negligenciada, pois é amplamente distribuída pelo Brasil, sendo importante o conhecimento sobre os sinais clínicos apresentados pelos animais intoxicados para facilitar o diagnóstico.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Científica de Medicina Veterinária - REVET - ISSN 2448-4571

Centro Universitário do Planalto Central Apparecido dos Santos - UNICEPLAC

Gama Leste, Brasília - DF

revista.veterinaria@uniceplac.edu.br