Prevalência de Algias na coluna vertebral em estudantes de uma Instituição de Ensino Superior

Ana Karoline Bispo de Carvalho, Edlaynne Oliveira do Nascimento, Katiane Duarte Felix, Rafael dos Reis Vieira Olher

Resumo


A permanência por longos períodos da postura sentada e de maneira inadequada é responsável por várias alterações músculo esqueléticas da coluna e um dos públicos mais afetados são os estudantes, por passarem parte do dia sentados. Outro fator muito importante é a forma em que os estudantes transportam os seus materiais, com o uso de bolsas e mochilas inapropriadas e fatores externos como o mobiliário inadequado utilizado pelo estudante. Objetivo: Analisar a prevalência de algias em estudantes do ensino superior e investigar qual segmento da coluna vertebral é o mais acometido. Metodologia: Foi realizado um estudo transversal, quantitativo, onde os dados foram extraídos por meio do questionário Oswestry, algumas medidas antropométricas e testes especiais. A amostra foi composta por 62 voluntários, estudantes do curso de fisioterapia e educação física, de ambos os sexos e com idade entre 20 e 35 anos. Resultados: Dos 62 alunos avaliados, 28 afirmaram sentir dor no momento, sendo prevalente na coluna cervical. De acordo com o Índice de Owestry, 58 alunos têm incapacidade mínima e 5 alunos tem incapacidade moderada. Conclusão: A principal região acometida pelos estudantes avaliados foi a cervical, podendo não estar diretamente.

Palavras-chave


Coluna vertebral. Estudantes. Ergonomia.

Texto completo:

PDF

Referências


BENVENUTTI, Amanda, PEREIRA JÙNIOR, Altair Argentino. Dor lombar em mulheres sedentárias e praticantes de musculação. Cinergis, Santa Cruz do Sul, v. 18, n. 1, p. 54-58, jan/mar. 2017.

BRASIL, M. D. S. C. N. D. S. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012: Diário Oficial da União, 2012.

CARVALHO, Alberito Rodrigo, ANDRADE Alexandro e PEYRÉ–TARTARUGa, Leonardo Alexandre . Possíveis alterações no mecanismo minimizador de energia da caminhada em decorrência da dor lombar crônica. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 55, n. 1, p. 55-61, 2015.

CASTRO, Karla et al.. Fisiomotricidade e limiares de dor: efeitos de um programa de exercícios na autonomia funcional de idosas osteoporóticas. Fisioter. Mov. Curitiba, v. 23, n. 1, p. 161-172, mar. 2010.

CORRAL, Seméia. Desenvolvimento e aplicações de um novo instrumento para estimulação do barorreflexo. Scientia Medica. Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 63-71, abr/jun. 2007.

CUNHA, Lorena Loureço e MAYRINK, Wildete Carvalho . Influência da dor crônica na qualidade de vida em idosos. Rev. Dor. São Paulo, v.12, n. 2, p. 120-124, abr/jun. 2011.

ELLIOTT, Thomas, RENIER Colleen M. e PALCHER, Jeanette A.. Chronic Pain, Depression, and Quality of Life: Correlations and Predictive Value of the SF-36. Pain Medicine, v. 4, n. 1, p. 331–339, dez. 2003.

FERREIRA, Gustavo et al. . Prevalência de dor nas costas e fatores associados em adultos do Sul do Brasil: Estudo de base populacional. Revista Brasileira de Fisioterapia, Pelotas RS, v. 15, n. 1, p. 31-36, jan/fev. 2011.

GOMES NETO, Mansueto, SAMPAIO, Gilcelio Santos e SANTOS, Priscila Souza. Frequência e fatores associados a dores musculoesqueléticas em estudantes universitários. Revista Pesquisa em fisioterapia, v. 6, n. 1 p. 26-34, fev. 2016.

REHAB. Oswestry Low Back Pain Disability Questionnaire. 1980. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2018.

LARA, Fernanda Heemann. Efeitos da prática de pilates na hérnia discal lombar. 2011. 68 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de Fisioterapia, Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, 2011.

MACIEL, Álvaro Campos Cavalcanti, FERNANDES, Mariana Barros e MEDEIROS, Luciana Souto. Prevalência e fatores associados à sintomatologia dolorosa entre profissionais da indústria têxti. Revista Brasileira de Epidemiologia. v. 9, n. 1, mar. 2006.

MOREIRA, Demóstenes. Hérnia de disco cervical: aspectos clínicos e ocupacionais. EFDeportes.com Revista Digital. Buenos Aires, n. 215, abr. 2016.

SANTOS, Catharine Natielle O. D. Belarmino et al. Correlações clínicas entre variações anatômicas sensitivas no plexo nervoso cervical com quadros de cervicalgias da síndrome do text neck (pescoço de texto) por uso indevido de smartphones. Anais 2017 - 19ª Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes, Sergipe, out. 2017.

SILVA, Eliandra et al. . Avaliação ergonômica das carteiras utilizadas pelos estudantes em uma instituição de ensino superior. Revista Terapia Manual, Bahia, v. 10, n. 48, 2012.

SILVA, Marcia Regina, FERRETI, Fátima e LUTINSKI, Junir Antonio. Dor lombar, flexibilidade muscular e relação com o nível de atividade física de trabalhadores rurais. Revista Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 112, p. 183-194, jan/mar. 2017.

SILVEIRA, Gabriella Franzoni et al. . O efeito da dor crônica nos domínios da função sexual: uma revisão sistemática. Grupo editorial Moreira Junior, Santa Catarina, v. 72, n. 8, p. 371-378, ago. 2014.

TOSCANO, José Jean de Oliveira e EGYPTO, Evandro Pinheiro. A influência do sedentarismo na prevalência de lombalgia. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Niterói, v.7, n.4, jul/ago. 2001.

ZAPATER, André et. al. . Postura sentada: a eficácia de um programa de educação para escolares. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 191-199, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista de Saúde - RSF                                                                

Brasília, v. 7, n.3, Jul-Dez, 2020

ISSN 2447-0309