A IMPORTÂNCIA DAS METODOLOGIAS ATIVAS NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO NO BRASIL

Wender Antonio Oliveira, Natalia Coppola

Resumo


Introdução: o objetivo do presente artigo é debater de maneira conceitual sobre a importância do uso de metodologias ativas nos estágios supervisionados de enfermagem. Método: o método de pesquisa adotado é do tipo qualitativa, com pesquisa básica de objetivo exploratório, tomando como fonte de coleta de dados a pesquisa bibliográfica, em livros e publicações acadêmico-científicas relacionadas ao tema. Resultados: foi possível constatar que o contexto contemporâneo da saúde demanda profissionais mais humanos e capacitados a lidar com a diversidade existente nesse campo. Para tanto, capacitar os estudantes de enfermagem, ainda no processo de sua formação, sobre as necessidades e dificuldades do trabalho é fundamental para suprir essa capacitação. Conclusão: constata-se, portanto, que é preciso deixar de lado a postura tradicional e fazer uso de metodologias ativas a fim de aproximar o contexto do ensino em enfermagem à realidade do trabalho, preparando efetivamente o aluno a lidar com esse contexto profissional após sua formação.


Palavras-chave


Nursing. Active Methodologies. Higher Education

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. C.; MASETTO, M. T. O professor universitário em aula: prática e princípios teóricos. 8ª ed. São Paulo: MG editores associados, 1990.

ALMEIDA, G. O professor que não ensina. São Paulo: Summus, 1986.

ARAÚJO, U. E.; SASTRE, G. Aprendizagem Baseada em Problemas no ensino superior. São Paulo: Summus, 2009.

BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. Estratégias de Ensino-Aprendizagem. 28ª ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BORGES, T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista, Jul./Ago. 2014, Ano 03, n° 04, p. 119-143.

CATANI, D. S.; et al. Metodologias ativas de enfermagem e a formação do enfermeiro: o que pensam os estudantes desse cenário. In: PBL-2016 International Conference. São Paulo: USP, 2016.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

DENCKER, A. F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. 4ª ed. São Paulo: Futura, 2000.

DIEHL, A. A. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GUBERT, E.; PRADO, M. L. Desafios na prática pedagógica na educação profissional em enfermagem. Rev. Eletr. Enferm. 2011 abr/jun;13(2):285-95.

GUSMÃO, L. M. P. Jovens universitárias da graduação em enfermagem: universo sociocultural e habitus formadores da profissão. Goiânia: Universidade Católica de Goiás, 2009. (Dissertação de mestrado).

HERMIDA, P. M. V.; et al. Metodologia ativa de ensino na formação do enfermeiro: inovação na atenção básica. Rev. Enferm. UFSM 2015 Out./Dez.;5 (4): 683-691.

MACHADO, L. R. S. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. In: BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: MEC, SETEC, v. 1, nº 1, jun. 2008, p. 8-22.

MAGALHÃES, C. R.; et al. Desenvolvimento docente e estratégias de incremento ao uso de metodologias ativas no ensino em saúde: experiência, conquistas e desafios. In: Revista Espaço para Saúde, v. 15, supl. nº 1, jun. 2014. Anais do VII Fórum Nacional de Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem na Formação em Saúde. Londrina: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - iNESCO, 2014, p. 82-91.

MARTON, C. F.; et al. Metodologias ativas na teorização de um internato de enfermagem: percepção de docentes. In: Revista Espaço para Saúde, v. 15, supl. nº 1, jun. 2014. Anais do VII Fórum Nacional de Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem na Formação em Saúde. Londrina: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - iNESCO, 2014, p. 734-735.

MAKUCH, D. M. V.; et al. A simulação realística como estratégia de ensino-aprendizagem em especialização em enfermagem pediátrica e neonatal. In: Revista Espaço para Saúde, v. 15, supl. nº 1, jun. 2014. Anais do VII Fórum Nacional de Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem na Formação em Saúde. Londrina: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - iNESCO, 2014, p. 736-737.

MELLO, C. C. B.; et al. Metodologias de ensino e formação na área da saúde: revisão de literatura. Rev. CEFAC. 2014 Nov-Dez; 16(6):2015-2028.

PAIM, A. S.; et al. Metodologias de ensino utilizadas por docentes do curso de enfermagem: enfoque na metodologia problematizadora. Enfermería Global, nº 37, Enero, 2015, p. 153-169.

PAVA, A. M.; NEVES, E. N. A arte de ensinar enfermagem: uma história de sucesso. Rev. Bras. Enferm. Vol. 64, nº 1, Brasília, 2011.

PRADO, M. L.; et al. Arco de Charles Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Rev. Enferm. Escola Anna Nery, vol. 16, nº 1, jan./mar. 2012.

SANNA, M. C. Os processos de trabalho em Enfermagem. Rev. Bras Enferm. Brasília 2007 mar-abr; 60(2):221-4.

SEBOLD, L. F.; et al. Metodologias ativas: uma inovação na disciplina de fundamentos para o cuidado profissional de enfermagem. Cogitare Enferm. 2010 Out/Dez; 15(4):753-6.

SOBRAL, F. R.; CAMPOS, C. J. G. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Rev. Esc. Enferm. USP 2012; 46(1):208-18.

TANAKA, L. H.; LEITE, M. M. J. Processo de trabalho do enfermeiro: visão de professores de uma universidade pública. Acta. Paul. Enfermagem, v.21, n3, p. 481-6. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista de Saúde da Faciplac                                                                  

Brasília, v. 5, n.1, RESUMOS - EDIÇÃO ESPECIAL 2018

ISSN 2447-0309