Aplicação de modelos animais na pesquisa biomédica experimental

Mariana Mendes Peluci Garcia Mendes, Cristina Souza Aparecida de Jesus Souza

Resumo


A utilização de animais na pesquisa biomédica com a finalidade de se compreender os fenômenos biológicos, sempre esteve presente na vida do ser humano. É um importante recurso que possibilitou inúmeras contribuições para o cuidado à saúde como a descoberta de vacinas e tratamentos para doenças que possuem impacto na saúde pública. Diversas espécies são empregadas na pesquisa biomédica e, a escolha da espécie mais adequada, depende do objetivo do estudo e deve ser baseada nas características do animal, sendo que, o camundongo e o rato são os animais mais utilizados em pesquisas. O estudo tem como objetivo discutir a importância da utilização de animais na pesquisa biomédica experimental. Foram realizadas pesquisas bibliográficas nas bases de dados da Scielo, LILACS, PubMed e Periódicos CAPES para pesquisa dos artigos e elaboração do trabalho, onde foram consultados 61 artigos publicados entre os anos 2000 a 2017. Foram utilizados os seguintes descritores para a busca: modelo animal, animais de laboratório, bioética, pesquisa biomédica e experimentação animal. A utilização de modelos animais está presente em estudos relevantes de diferentes áreas da biomedicina, como por exemplo, em pesquisas a respeito do Zika vírus na área de virologia. Entretanto, pesquisas que utilizam animais em suas metodologias estão submetidas a aspectos éticos que resguardam o bem-estar animal, uma vez que há diretrizes para essa manipulação que estão presentes na Lei Arouca. A substituição dos modelos animais ainda é uma realidade distante, uma vez que existem poucos modelos in silico e in vitro viáveis para essa efetiva substituição e, em alguns estudos, os resultados obtidos in vitro podem ser diferentes dos resultados de experimentos in vivo, o que coloca em dúvida a confiabilidade dos testes in vitro. A utilização de animais na pesquisa biomédica experimental é uma ferramenta fundamental e necessária e que dificilmente haverá métodos alternativos que consigam representar a fisiologia humana e animal de forma absoluta.


Palavras-chave


Modelo animal, Animais de laboratório, Pesquisa biomédica;

Texto completo:

PDF

Referências


Andreollo NA, Santos EF, Araújo MR, Lopes LR. Idade dos ratos versus idade humana: Qual é a relação? Arq Bras Cir Dig, São Paulo, 25(1), 49-51, 2012.

Antonioletti M, Biktashev VN, Jackson A, Kharche SR, Stary T, Biktasheva IV. BeatBox—HPC simulation environment for biophysically and anatomically realistic cardiac electrophysiology. Plos One, 5(12), p.36-46, 2017.

Araújo N, Couto FFB, Zani CL. Avaliação da atividade esquistossomicida do carvacrol em experimentos in vitro e in vivo. Revista de Patologia Tropical, 2(45), 179-191, 2016.

Argenta R & Pereira AH. Modelos animais de aneurisma de aorta. Jornal Vascular Brasileiro. Porto Alegre, 8(2), 148-153. 2009.

Azevedo N, Ferreiro LO, Kropf SP, Hamilton WS. Pesquisa científica e inovação tecnológica: a via brasileira da biotecnologia. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 1(45), 139-176, 2002.

Babboni SD & Modolo JR. Raiva: Origem, importância e aspectos históricos. Cient Ciênc Biol Saúde, (13), 349-356, 2011.

Barington K; Jensen HE, Skovgaard K. Forensic aspects of gene expression signatures for age determination in bruises as evaluated in an experimental porcine model. Forensic Science, Medicine, And Pathology, 2(13), p.151-160, 2017.

BRASIL. Art. 2º da Lei nº 11.794, de 8 de outubro de 2008.

Brown NK, Daniel JM, Vladimir BR, Chella SD, Yi-chi MK. A novel H2A−E+ transgenic model susceptible to human but not mouse thyroglobulin-induced autoimmune thyroiditis: Identification of mouse pathogenic epitopes. Cellular Immunology, 1(251), 1-7, 2008.

Buss PM. Prefácio. In: Andrade A, Pinto SC, Oliveira RS. Animais de laboratório criação e experimentação. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1-2, 2006.

Carvalho THF & Lopes OU. O emprego de camundongo geneticamente modificado como modelo de estudo para doenças cardiovasculares. Medicina (Ribeirao Preto. Online), 1 (39), 110-116, 2006.

Cazarin KCC & Corrêa CL, Zambrone FAD. Redução, refinamento e substituição do uso de animais em estudos toxicológicos: uma abordagem atual. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. 3(40), 289-299, 2004.

Cerqueira N. Métodos alternativos ainda são poucos e não substituem totalmente o uso de animais. Cienc. Cult., São Paulo, 2(60), 47-49, 2008.

Chorilli M, Michelin DC, Salgado HRN. Animais de laboratório: O camundongo. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. 1(28), 11-23, 2007.

Clotet, J, Feijó AGS, Oliveira MG. Bioética: uma visão panorâmica. Porto Alegre, Editora PUCRS 280, 2011.

CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL (CONCEA). Diretriz brasileira para o cuidado e a utilização de animais em atividades de ensino ou de pesquisa científica – DBCA. Brasília/DF, p. 4, 2016.

Damatta RA. Modelos animais na pesquisa biomédica. Scientia Medica, Porto Alegre, 3(20), 210-211, 2010.

Damy SB, Camargo RS, Chammas R, Figueiredo LFP. Aspectos fundamentais da experimentação animal - aplicações em cirurgia experimental. Rev Assoc Med Bras, São Paulo, 56 (1),.103-111, 2010.

Danielski JCR, Barros DM, Carvalho F. Antoniolo Hammes. O uso de animais pelo ensino e pela pesquisa: prós e contras. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, 1(5), 72-84, 2011.

Diniz MO, Ferreira LCS. Biotecnologia aplicada ao desenvolvimento de vacinas. Estudos Avançados, 70(24), 19-30, 2010.

Doorbar J. Model systems of human papillomavirus-associated disease. The Journal Of Pathology, 2(238), 166-179, 2015.

Duarte KMR. Protocolos e Normas para Uso de Animais de Laboratório para Produção de Anticorpos e Soros. Boletim de Indústria Animal, Nova Odessa (SP), 2(64), 167-177, 2007.

Duval F, Vega DEC, Gamboa IG, Garza MTG, Ponz F, Sánchez F, Galván GA, Cuevas JEM. Detection of Autoantibodies to Vascular Endothelial Growth Factor Receptor-3 in Bile Duct Ligated Rats and Correlations with a Panel of Traditional Markers of Liver Diseases. Disease Markers, (2016), 1-7, 2016.

Ernst W. Humanized mice in infectious diseases. Comparative Immunology, Microbiology And Infectious Diseases, (49), p.29-38, dez. 2016

Fagundes DJ & Taha MO. Modelo animal de doença: Critérios de escolha e espécies de animais de uso corrente. Acta Cirurgica Brasileira, 1(19), 59-65, 2004.

Feijó A, Braga LMGM; Pitrez, PMC. Animais na pesquisa e no ensino: aspectos éticos e técnicos. EDIPUCRS, 1º edição, cap 2, 2010.

Ferreira LM, Hochman B; Barbosa MVJ. Modelos experimentais em pesquisa. Acta Cirurgica Brasileira, 2(20), 28-34, 2005.

Frajblat, M, Amaral VLL, Rivera EAB. Ciência em animais de laboratório. Cienc. Cult., São Paulo, 2(60), 44-46, 2008 .

Goldim, JR. A Avaliação ética da investigação científica de novas drogas: a importância da caracterização adequada das fases da pesquisa. Rev Hcpa, 1(27), 66-73, 2007.

INTERNATIONAL DIABETES FEDERATION (IDF). What is diabetes – Facts & Figures. Belgium, 2015. Diponível em: . Acesso em 25 de maio de 2017.

Ito S, Yanai M, Yamaguchi S, Couraud PO, Ohtsuki S. Regulation of tight-junction integrity by insulin in an in vitro model of human blood-brain barrier. Journal Of Pharmaceutical Sciences, 1(17), 1-35, abr. 2017.

Kawiecki AB, Mayton EH, Dutuze MF, Goupil BA, Langohr IM, Del Piero F, Christofferson RC, Tissue tropisms, infection kinetics, histologic lesions, and antibody response of the MR766 strain of Zika virus in a murine model. Virology Journal, 1(14), 2017.

Keric N, Bornwasser JM, Werkmeister HM, Kantelhardt SR, König J, Kempski O, Giese A. Optimization of catheter based rtPA thrombolysis in a novel in vitro clot model for intracerebral hemorrhage. Biomed Research International, (2017), 1-8, 2017.

Knop, LB & Augusto MD. Métodos substitutivos e a experimentação animal: um enfoque inovador. Revista da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório, São Paulo, 2(4), 101-114, 2016.

Maltby S, Tay HL, Yang M, Foster PS.. Mouse models of severe asthma: Understanding the mechanisms of steroid resistance, tissue remodelling and disease exacerbation. Respirology. 22(5), 2017.

Mariano M. Minisuíno (minipig) na pesquisa biomédica experimental. Acta Cirúrgica Brasileira, 5(18), 387-391, 2003.

Miziara ID , Magalhães ATM , Santos MA , Gomes EF , Oliveira RA. Ética da pesquisa em modelos animais. Braz. J. Otorhinolaryngol. São Paulo 2(78), 128-131, 2012.

Monteiro R, Brandau R, Gomes WJ, Braile DM. Tendências em experimentação animal. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, 4(24), 506-513, 2009.

Oliveira EM & Goldim JR. Legislação de proteção animal para fins científicos e a não inclusão dos invertebrados – análise bioética. Rev. Bioét , Porto Alegre, 1(22), 45-56, 2014.

PAIXÃO, Rita Leal. "Experimentação animal: razões e emoções para uma ética". 2001. 151 f. Tese de Doutorado, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2001.

Pereira LC; Santos AG. Utilização de métodos alternativos à experimentação animal em pesquisa. Revista da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório, São Paulo, 1(4), 22-31, 2016.

Perini, JAL, Stevanato FB, Sargi SC, Visentaine JEL, Dalalio MMO, Matshushita M, Souza NE, Visentainer JV. Ácidos graxos poli-insaturados n-3 e n-6: metabolismo em mamíferos e resposta imune. Rev. Nutr., Campinas, 6(23), 1075-1086, 2010.

Pimenta, LG & Silva AL. Ética e experimentação animal. Acta Cirurgica Brasileira, 4(16), p.255-260, 2001.

Pires AC, Chacra AR. A evolução da insulinoterapia no diabetes melito tipo 1. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo , 2(52), 268-278, 2008 .

Presgrave AFO, Caldeira C, Gimenes I; Freitas CBRJ, Nogueira STB, Oliveira DEN, Oliveira AG, Silva RS; Alves EN, Presgrave RF. Métodos alternativos ao uso de animais: uma visão atual. Ciência Veterinária nos Trópicos, (13), 106-117, 2010.

Raymundo MM & Goldim JR. Ética da pesquisa em modelos animais. Rev. Bioética, 1(10), 2002.

Rezende AH; Peluzio MCG, Sabarense CM. Experimentação animal: ética e legislação brasileira. Revista de Nutrição, 2(21), 237-242, 2008.

Rodrigues GS, Sanders A; Feijó, AGS. Estudo exploratório acerca da utilização de métodos alternativos em substituição aos animais não humanos. Rev. Bioét, Porto Alegre, 2(19), 577-596, 2011.

Rogero SO, Lugão AB, Ikeda TI Cruz AS. Teste in vitro de citotoxicidade: estudo comparativo entre duas metodologias. Materials Research, 3(6), 317-320, 2003.

Schanaider A & Silva PC. Uso de animais em cirurgia experimental. Acta Cirurgica Brasileira, 4(19), 441-447, 2004.

Schnaider TB & Souza C. Aspectos éticos da experimentação animal. Revista Brasileira de Anestesiologia, 2(53), 278-285, 2003.

SHARP LA. The Moral Lives of Laboratory Monkeys: Television and the Ethics of Care. Culture, Medicine, And Psychiatry, 2(41), 224-244, 2017.

Tavares AM, Santos DM, Oliveira CI, Brodskyn CI. Estratégias de vacinação contra leishmaniose visceral e cutânea: lições dos modelos experimentais. Gazeta Médica da Bahia, Salvador, 3(79), 110-121, 2009.

Yao Y, Lai R, Afkhami S, Haddadi S, Zganiacz A, Vahedi F, Ashkar AA, Kaushic C, Jeyanathan M, Xing Z. A novel virus-vectored respiratory mucosal vaccine enhances anti-tuberculosis immunity in a humanized model system. J Infect Dis Jix, 1-35 2017.

ZAGO, MA. A pesquisa clínica no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 2(9), 363-374, 2004.

Zheng M, Zou C, Li M, Huang G, Gao Y, Liu H. Folic Acid Reduces Tau Phosphorylation by Regulating PP2A Methylation in Streptozotocin-Induced Diabetic Mice. Int. J. Mol. Sci, China; 18(861) 1-13, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista de Saúde da Faciplac                                                                  

Brasília, v. 4, n.1, 2017

ISSN 2447-0309