Avaliação da satisfação dos usuários no atendimento da UPA 24 horas do município de Valparaíso de Goiás- GO.

Wender Antonio Oliveira

Resumo


O objetivo principal de todo serviço de saúde deve ser a satisfação do usuário. Através da avaliação da satisfação do paciente, é possível perceber as suas expectativas em relação ao trabalho, descobrindo as possíveis falhas e procurando soluções para melhoria do serviço prestado. O objetivo deste trabalho foi avaliar a satisfação dos usuários atendidos na UPA 24 horas do município do Valparaiso de Goiás - GO, bem como conhecer seu perfil e, com essa avaliação, programar estratégias de aprimoramento ao serviço. Trata-se de um estudo observacional, transversal e descritivo com abordagem quantitativa e prospectiva. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário aplicado em uma amostra composta por 53 usuários; a análise dos resultados mostrou que houve predominância da faixa etária de 26 a 32 anos (47%). No referente ao sexo, a predominância foi do sexo masculino com 57% dos usuários. Quanto à origem, 52% (28) dos pacientes informaram não serem residentes do município de Valparaíso de Goiás - GO. Quanto à estrutura física da UPA 24, 60% declararam estar satisfeitos com relação à ambientação e limpeza. Quanto ao volume de atendimentos, esse se mostrou predominante no período da tarde (45%), seguido pelo período da noite (30%), e manhã (25%). Logo, considerando o enfermeiro o profissional que executa a classificação de risco na UPA 24 horas do município de Valparaiso de Goiás - GO foi possível observar que 80% dos usuários entrevistados consideram estarem satisfeitos com as orientações e explicações recebidas. Entretanto, segundo o percentual de entrevistados 79% dos usuários entrevistados, afirmaram que esta classificação não funciona e 77% afirmaram desconhecer a cor e o significado de sua classificação de risco; 80% classificam o tempo de espera como demorado; e 92% dos entrevistados se mostraram satisfeitos com o atendimento médico. Desta forma, a avaliação do serviço baseado na opinião do usuário é de extrema importância, pois mostra ao gestor uma visão diferenciada do serviço ofertado contribuindo assim para o desenvolvimento de estratégias e ações no setor saúde. De uma forma geral, a UPA 24h, obteve uma avaliação positiva do serviço oferecido, mas, ainda tem que promover melhorias na sua organização para que os serviços ofertados sejam efetivos.

 

 


Palavras-chave


Satisfação do paciente, Avaliação de serviços de saúde, UPA 24 horas.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE K. L. C.; FERREIRA E. F. Avaliação da inserção da odontologia no Programa Saúde da Família de Pompéu (MG): a satisfação do usuário. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 123-130, 2006.

FADEL C. B; SANDRINI J. C.; ZARDO L. N. Avaliação do perfil e grau de satisfação dos usuários dos serviços odontológicos na estratégia saúde da família, na zona rural do município de Castro/PR. UEPG Ci. Biol. Saúde, Ponta Grossa, v. 13, n. 3/4, p. 59-66, set./dez. 2007.

REIS, C. et al. Avaliação do serviço de saúde bucal no município de Grão Mogol, Minas Gerais, Brasil: “a voz do usuário”. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2006 [acesso em 2009 Jan. 22]. Disponível em: http://www.abrasco.org.br/cienciaesaudecoletiva/artigos/artigo_int.php?idartigo=689 Perfil e nível de satisfação

FERNANDES S. K. S.; COUTINHO A. C. M.; PEREIRA E. L. Avaliação do perfil socioeconômico e nível de satisfação dos pacientes atendidos em clínica integrada odontológica universitária. Rev. Bras. Promoção Saúde, Fortaleza, v. 21, n. 2, p. 137-143, 2008.

ORGE M. S. B. et al. Avaliação da qualidade do programa saúde da família no Ceará: a satisfação dos usuários. Rev. Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 31, n. 2, p. 256-266, jul./dez. 2007.

Ulhôa ML, Garcia FC, Lima CT, Santos DS, Castro PAA. A implantação de nova tecnologia: implicação na eficiência do trabalho na unidade de pronto atendimento de um hospital público de urgência e emergência. Revista gestão organizacional | vol. 3 - n.1 - jan./jun. – 2010.

Sousa PCC, Oliveira ADS, Ferreira PQC, Pinto E LPL, Souza MCP. Humanização da assistência de enfermagem em unidade de urgência e emergência. r. interd. v. 8, n. 1, p. 183-189, jan. fev. mar, 2015.

Fausto MCR, Matta GC. Atenção primária à saúde: histórico e perspectivas. Rio de Janeiro: epsjv/ fiocruz, 2007, v. 4, p. 43-67.

Gomide MFS, Pinto IC, Figueiredo LA. Acessibilidade e demanda em uma unidade de pronto atendimento: perspectiva do usuário. Enferm. vol.25 no. spe2 São Paulo 2012.

Brasil MS, Secretaria de atenção à saúde. Departamento de atenção especializada. Manual instrutivo da rede de atenção às urgências e emergências no sistema único de saúde (sus) /Ministério da Saúde, secretaria de atenção à saúde, departamento de atenção especializada. – Brasília: editora do ministério da saúde, 2013.

Oliveira, TPG, Pereira CGP. Perfil de Pacientes que Procuram a Clínica de Nutrição da PUC MINAS e Satisfação quanto ao Atendimento Percurso Acadêmico. Belo Horizonte, v. 4, n. 8, jul./dez. 2014.

Silva AJ, Nava, Dias. Serviço prestado em uma clínica escola: fatores influentes na satisfação dos pacientes. Revista saúde e pesquisa, v. 7, n. 1, p. 129-134, jan./abr. 2014 - issn 1983-1870.

Barbosa EB. Satisfação da assistência fisioterapêutica: uma avaliação de usuários no município de esperança-PB -2014.

Brasil MS, Secretaria AS. Política nacional de humanização da atenção e gestão do sus. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência / Ministério da Saúde, Secretaria de atenção à saúde, Política nacional de humanização da atenção e gestão do sus. – Brasília: Ministério da saúde, 2009. 56 p.: il. color. – (série b. textos básicos de saúde).

Marinho KR. Educação permanente: o acolhimento com avaliação e classificação de risco por meio da concepção das enfermeiras da unidade de pronto atendimento da zona sul em Porto Velho – RO 2015.

Ulbrichi EM, Mantovani M, Balduino A, Reis BK. Protocolo de enfermagem em atendimento emergencial: subsídio para o acolhimento às vítimas. Cogitare enferm. 2010. abr/jun; 15(2):286-92.

Pontes APM, Cesso RGD, Oliveira DC, Gomes AMT. O princípio de universalidade do acesso aos serviços de saúde: o que pensam os usuários? Esc Anna Nery Rev Enferm 2009 jul-set; 13 (3): 500-07

Santos FLAM. Revisão sistemática do Sistema de Triagem de Manchester na estratificação de risco /Luiz Alberto Marques Santos Filho. Salvador: 2013. VIII, 28p.

Araújo MT, Ferreira AR. Perfil dos usuários e suas demandas em uma unidade de atendimento imediato. 61 Congresso Brasileiro de Enfermagem. Trabalho 277. CBEN-Fortaleza-CE. 2009.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência Farmacêutica no SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília : CONASS, 2007. 186 p. (Coleção Progestores – Para entender a gestão do SUS, 7).

Mendonça KMPP, Guerra RO. Desenvolvimento e validação de um instrumento de medida da satisfação do paciente com a fisioterapia v. 11 n. 5, 2007 issn 1413-3555 instrumento para medir a satisfação com a fisioterapia 369 rev. bras. Fisioter. São Carlos, v. 11, n. 5, p. 369-376, set./out. 2007 ©revista brasileira de fisioterapia.

DOMINGUES,C. Satisfação dos pacientes da Clínica da Mente CLÍNICA DA MENTE Porto/ 032015.

SALLA, J. et al. Perfil de demanda de um serviço de Pronto Socorro, Santa Maria. Saúde, (Santa Maria), Santa Maria, v. 15, n. 1/2, p. 71-80, 1989.

FURTADO, B. M. A. S. M.; ARAÚJO JÚNIOR, J. L. C.; CAVALCANTI, P. O perfil da emergência do Hospital da Restauração: uma análise dos possíveis impactos após a municipalização dos serviços de saúde. Revista brasileira de epidemiologia, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 279-289, 2004

DESLANDES, S. F.; SILVA, C. M. F. P. Análise da morbidade hospitalar por acidentes de trânsito em hospitais públicos do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Revista de saúde pública, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 367-372, 2000. GAWRYSZEWSKI, V. P.; KOIZUMI, M. S.; MELLO-JORGE, M. H. P. A. S. Causas externas no Brasil no ano 2000: comparando a mortalidade e a morbidade. Cadernos de saúde pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 995-1003, 2004.

SITES CONSULTADOS:

Ministério da Saúde (BR). Portal da Saúde: Média e Alta Complexidade. [acesso 2011 Jun 26]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/sas/mac/area.cfm?id_area=828

Garlet ER, Lima MADS, Santos JLG, Marques GQ. Organização do trabalho de uma equipe de saúde no atendimento ao usuário em situações de urgência e emergência. Texto Contexto Enferm [online]. 2009 Jun [acesso 2011 Jun 26]; 18(2):266-72. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072009000200009&lng=pt

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília (DF): MS; 2006.

O ́Dwyer G. A gestão da atenção às urgências e o protagonismo federal. Cien Saude Colet [online]. 2010 Ago [acesso 2012 Jun 20]; 15(5):2395-404. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v15n5/v15n5a14.pdf

Bittencourt RJ, Hortale VA. Intervenções para solucionar a superlotação nos serviços de emergência hospitalar: uma revisão sistemática. Cad. Saúde Pública [online]. 2009 Jul [acesso 2011 Jul 26];25(7):1439-54. Disponível em: http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 311X2009000700002&lng=pt.

Ministério da Saúde. Portaria nº 342, de 4 de março de 2013. Gabinete do ministro, Brasília. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0342_04_03_2013


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista de Saúde da Faciplac                                                                  

Brasília, v. 5, n.1, RESUMOS - EDIÇÃO ESPECIAL 2018

ISSN 2447-0309