A qualidade do esfregaço Papanicolau nas unidades básicas de saúde da família

Fauna Renata de Araujo Souza

Resumo


O Câncer de Colo de Útero é uma doença para qual as abordagens de prevenção vem progredindo. Ela acomete todas as classes sociais, sendo considerada como a terceira causa de morte em mulheres do Brasil e países em desenvolvimento. Por ter uma evolução lenta, possibilita que sua interrupção aconteça de forma precoce, por meio do exame colpocitológico, técnica mais adequada e prática para seu diagnóstico. Dentre os fatores levantados como de risco para a população feminina, destaca-se como sendo o principal a infeção pelo HPV. Assim, a principal estratégia adotada para detecção precoce da doença, capaz de reduzir sua incidência e mortalidade se chama Exame de Papanicolau ou ainda esfregaço cervicovaginal. Porém não basta somente oferecer a cobertura deste exame as mulheres, mas também proporcionar a qualidade das amostras colhidas. O objetivo desse estudo é analisar, através de uma pesquisa transversal e descritiva registros quanto a qualidade do esfregaço cervicovaginal. A pesquisa foi realizada no centro de saúde analisando 52 prontuários e entrevistando quatro enfermeiras. Para viabilizar a coleta de dados dos prontuários utilizou-se um questionário com requisitos primordiais que conferem qualidade ao exame em questão. Enquanto que, com as quatro enfermeiras, empregou-se um roteiro de entrevista semiestruturada. A análise dos prontuários constatou um número de amostras de exame de papanicolau insatisfatórias, sendo a causa prevalente da não representação da Junção Escamo colunar (JEC). Quanto as enfermeiras entrevistadas, constatou-se um nível de conhecimento acerca do procedimento por elas realizado. Conclui-se através deste estudo que o enfermeiro atua na coleta citológica, onde sua prática proporciona a descoberta e a prevenção da patologia, atuando não somente na coleta do material, mas também contribuindo na promoção de saúde, oferecendo a população alvo segurança e qualidade aos procedimentos.


Palavras-chave


Qualidade, Esfregaço Papanicolau, Prevenção do câncer de colo do útero.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguilar RP, Soares DA. Barreiras à realização do exame Papanicolau: perspectivas de usuárias e profissionais da Estratégia de Saúde da Familia da cidade de Vitória da Conquista-BA. Rev. de Saúde Coletiva. 25(2): 359-379, 2015.

Amaral AF, Araújo ES, Magalhães JC, Silveira EA, Tavares SBN, Amaral RG. Impacto da capacitação dos profissionais de saúde sobre o rastreamento do câncer do colo do útero em unidades básicas de saúde. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 36(4):182-7, 2014.

Amaral RG, Manrique EJ, Guimarães JV, Sousa PJ, Mignoli JR, Xavier AF, Oliveira A. Influence of adequacy of the sample on detection of the precursor lesions of the cervical cancer. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 30(11):556-60, 2008.

Araújo EM, Barbosa AC, Silva ALF, Júnior APC. Prevenção do câncer do colo do útero na visão do enfermeiro da Unidade Básica de Saúde (UBS). Rev. Univar. 11(1):170-175, 2014.

Brasil, Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Tipos de câncer. Colo do útero. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em:http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/acoes_programas/site/home/nobrasil/programa_nacional_controle_cancer_colo_utero/conceito_magnitude. Acesso em abril de 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Nomenclatura Brasileira para laudos citopatológicos cervicais. 3. ed. – Rio de Janeiro: Inca, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Cadernos de Atenção Básica, n.13). 2. ed. – Brasília: 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Falando sobre câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: Inca, 2002.

Carvalho MHM, Jales RM & Jales AFC. Afecções benignas do colo uterino. In Taborda WC, Gomes MTV. Ginecologia: diagnóstico e tratamento. Rio de Janeiro: Editora Cultura Médica, 2005. cap. 18, p. 283-299.

Dias MPK, Tomazelli JG, Assis M. Rastreamento de câncer de colo de útero no Brasil: análise de dados do Siscolo no período de 2002 a 2006. Rev. Epidemiol. Serv. Saúde. 19(3):293-306, 2010.

Freitas HG, Thuler LCS. Monitoramento externo da qualidade dos exames citopatológicos cervicais realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado de Mato Grosso do Sul. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 34(8): 351-6, 2012.

Girianelli VR, Thuler LCS, Silva GA. Adesão ao rastreamento para câncer do colo do útero entre mulheres de comunidades assistidas pela Estratégia Saúde da Família da Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, Brasil. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 36(5):198-204, 2014.

Linhares IM, Giraldo PC, Baracat EC. Novos conhecimentos sobre a flora bacteriana vaginal. Rev. Assoc. Med. Bras. 56(3): 370-4, 2010.

Melo MCSC, Vilela F, Salimena AMO, Souza IEO. O enfermeiro na prevenção do câncer do colo do útero: o cotidiano da atenção primária. Rev. Bras. Cancerol. 58(3): 389-398, 2012.

Mendes YLC, Mesquita KO, Lira RCM. Prevenção do câncer de colo uterino: analisando a atuação do enfermeiro da atenção primária à saúde. Rev. S A N A R E. 14(02):72-78, 2015.

Nascimento GWC, Pereira CCA, Nascimento DIC, Lourenço GC, Machado CJ. Cobertura do exame citopatológico do colo do útero no Estado de Minas Gerais, Brasil, no período entre 200-2010: um estudo a partir dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero (SISCOLO). Cad. Saúde Colet. 23(3):253-260, 2015.

Paula CG, Ribeiro LB, Pereira MC, Bedran T. Atuação do enfermeiro da atenção básica frente ao controle do câncer uterino: revisão de literatura. Rev. Cent. Univer. Newton Paiva. 5(1), 2012.

Ribeiro KFC, Moura MSS, Brandão RGC, Nicolau AIO, Aquino OS, Pinheiro AKB. Conhecimento, atitude e prática de acadêmicas de enfermagem sobre o exame de Papanicolau. Texto Contexto Enferm. 22(2): 460-7, 2013.

Santos ACS, Varela CDS. Prevenção do câncer de colo uterino: motivos que influenciam a não realização do exame de Papanicolau. Rev. Enferm. Contemp. 4(2):179-188, 2015.

Santos FAPS, Brito RS, Santos DLA. Exame Papanicolau: avaliação da qualidade do esfregaço cervical. Rev. Rene. 12(3): 645-8, 2011.

Santos ML, Moreno MS, Pereira VM. Exame de Papanicolau: qualidade do esfregaço realizado por alunos de enfermagem. Rev. Bras. Cancerol. 55(1): 19-25, 2009.

Siqueira RN. Baixa adesão das mulheres ao exame Papanicolau. 2013. Campos Gerais. 27 p. Monografia (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família). Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais.

Viana MRP, Moura MEB, Nunes BMVT, Monteiro CFS, Lago EC. Formação do enfermeiro para a prevenção


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista de Saúde da Faciplac                                                                  

Brasília, v. 5, n.1, RESUMOS - EDIÇÃO ESPECIAL 2018

ISSN 2447-0309