Os benefícios da ginástica laboral para prevenção de dores osteomusculares em professores da escola Gesner Teixeira/ Gama-DF

Gracy-Mery Ramos Bezerra, Katiane Duarte Felix

Resumo


As questões relacionadas com a qualidade de vida nos ambientes de trabalho ainda estão longe de ser realidade. Em diversas ocupações a repetitividade, provocam lesões neuro- sensoriais conhecidas como fadiga, que contribuem para diminuição dos níveis de reflexo e concentração da pessoa, aumentando o risco acidentes de trabalho. Uma das populações mais susceptíveis a desenvolver lesões relacionadas à atividade laborativa são os professores, pela longa escrita, uso de computadores, má postura e longa permanência na posição ortostática. A ginástica laboral vem ganhando destaque no Brasil e é utilizada como uma importante ferramenta para melhorar a qualidade de vida no trabalho. Ela é a arte de exercitar o corpo e a mente do trabalhador, através da utilização de exercícios de fácil execução, que causam prazer ao funcionário, aumentando assim sua disposição na execução das tarefas que lhes são propostas. Portanto, a ginástica laboral tem como objetivo: promover adaptações fisiológicas, físicas e psíquicas, por meio de exercícios dirigidos e adequados para o ambiente de trabalho promovendo o bem-estar e melhor qualidade de vida. Este estudo trata de uma pesquisa do tipo transversal de cunho quantitativo, realizada na escola Gesner Teixeira da Regional de Ensino do Gama, com uma população composta por 20 professores. Foi utilizado como instrumento de coleta de dados dois questionários e a prática da ginástica laboral. Observou- se que o programa de ginástica laboral foi satisfatório uma vez que houve diminuição do cansaço (fadiga) em 60%, reduziu o nível de estresse em 50%, melhorou a integração com os colegas em 40% dos participantes. Foi evidenciada a necessidade de um programa de ginástica laboral.

 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista de Saúde da Faciplac                                                                  

Brasília, v. 4, n.1, 2017

ISSN 2447-0309