A ENFERMAGEM E A DEFICIÊNCIA AUDITIVA: assistencia ao surdo

Flávia Pinheiro Della Giustina, Denise Medeiros das Neves Carneiro, Ruana Medeiros de Souza

Resumo


Os clientes surdos têm muitas dificuldades durante o atendimento à saúde, pois é escassa a presença de um intérprete de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) que se comunique efetivamente com essa clientela no ambiente hospitalar. A assistência fica comprometida pelas deficiências de comunicação com o surdo, por isso é de relevância esse conhecimento acerca da capacitação em saúde do profissional, visto que há uma necessidade do atendimento ser garantido a todos. O estudo trata-se de uma pesquisa de campo, exploratória, descritiva, com abordagem qualitativa. Os dados foram coletados por meio de um questionário misto, dirigido à Equipe de Enfermagem (Auxiliares de Enfermagem, Técnicos de Enfermagem

e Enfermeiros) que atuam no Pronto Socorro do HRG (Hospital Regional do Gama). Os dados foram analisados através da metodologia de análise de conteúdo de Bardin (1977), e por meio de gráficos de software da Microsoft Excel (2008). O objetivo foi conhecer a assistência de enfermagem aos surdos, e para isso se pretendeu levantar os mecanismos que possibilitam essa comunicação e suas interferências; identificar as dificuldades enfrentadas no cotidiano dessa assistência; e investigar como a equipe de Enfermagem lida com as interferências na comunicação com o cliente.Conclui- se que a equipe de Enfermagem se comunica com os clientes surdos por meio de recursos diferentes da estrutura lexical da LIBRAS, e as dificuldades enfrentadas no cotidiano do cuidado revelam a necessidade desses profissionais e gestores reconhecerem a importância da capacitação para melhor lidar com essa população para uma assistência humanizada.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista de Saúde da Faciplac                                                                  

Brasília, v. 4, n.1, 2017

ISSN 2447-0309